ClimaInfo, 4 de setembro de 2018

ClimaInfo mudanças climáticas

BRASIL: O TAMANHO DAS SECAS

Um editorial da Folha de S. Paulo põe números na gravidade da falta de chuvas deste ano. O Nordeste, que mal saiu da estiagem de seis anos, ainda tem áreas imensas com secas classificadas como moderadas ou severas, algumas há mais de seis meses; o “o estresse hídrico abarca 540 mil km², equivalentes a 44% da região Nordeste”. E a situação pode complicar mais se o El Niño vier no final do ano (probabilidade de 60%, segundos os meteorologistas), aguçando a seca. No Centro-Oeste, a estiagem atinge 260 mil km² (17% da região). No norte de Minas, a vazão de 70% dos cursos d’água está abaixo da normal; como consequência, a produção de leite caiu mais de 60% e o rebanho diminuiu em 25%. Em São Paulo, algumas regiões ficaram sem chuva por 4 meses seguidos, o que comprometeu a safra de cana.

Tudo isso num governo em final de feira, de uma feira que foi das piores da história econômica do país. A Folha alerta que “mais preocupante se mostra a possibilidade de que essas secas se tornem mais frequentes, ou mesmo crônicas, com a prognosticada mudança do clima. Há que preparar o país também para isso.”

https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2018/09/as-secas-do-brasil.shtml

 

BRASIL: ENERGIA EÓLICA EM ALTA

O Estadão publicou um editorial neste final de semana sobre o crescimento da geração eólica no mundo, destacando a oitava posição do Brasil no ranking global de geração elétrica pelos ventos, com quase 13 GW instalados. O jornal cita Elbia Gannoum, presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica, quem vê que os ventos serão a segunda maior fonte geradora até 2020, deixando para trás todas as térmicas. O editorial pleiteia que o crescimento da energia eólica no Brasil seja “uma meta tanto do poder público como da iniciativa privada.”

https://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,bons-ventos,70002483802

 

GOVERNO NÃO INFORMA OS WAIMIRI-ATROARI SOBRE LINHÃO DE TRANSMISSÃO PROJETADO PARA ATRAVESSAR SUAS TERRAS

Há pouco, soubemos que o governo Temer só avisou recentemente os Waimiri-Atroari do projeto do linhão entre Boa Vista e Manaus. O projeto abriria uma área considerável ao longo da estrada que liga as duas capitais e cortaria a terra indígena. Mesmo assim, o governo tenta passar por cima do direito dos povos indígenas de serem informados e consultados. O projeto tem mais de dez anos, mas agora o governo Temer vem tentando de tudo para conseguir a licença para construir o linhão, menos fazer o que manda a lei.
Enquanto isso a crise humanitária em Roraima e as ameaças aos venezuelanos podem se agravar se o Sistema Eletrobras não pagar o que deve pela eletricidade importada da Venezuela. Relatos dão conta que apagões estão se tornando cada vez mais frequentes.

https://brasil.elpais.com/brasil/2018/08/29/politica/1535564705_484356.html

https://www.socioambiental.org/pt-br/blog/blog-do-isa/ilegalidade-e-mentira-contaminam-o-projeto-do-linhao-entre-manaus-e-boa-vista

 

OS PRESIDENCIÁVEIS E O SEMIÁRIDO

O pessoal do Letras Ambientais foi buscar o que os candidatos à presidência têm escrito e falado sobre o semiárido brasileiro, onde moram 13% da população nacional com renda per capita da ordem de ¼ da média do país. A região é a mais vulnerável do país dos pontos de vista social, econômico e climático.

O programa do PT é o único a tratar a região num tópico próprio. Destaca as realizações dos seus governos, em especial o Programa Um Milhão de Cisternas e a transposição do São Francisco. O comentário do Letras é que “todavia, não fica claro como irá integrar um grande projeto de políticas de desenvolvimento e geração de renda à população da região, por meio da convivência produtiva com a seca”.

Bolsonaro mal fala do semiárido e não propõe políticas específicas para tratar dos problemas da região. O comentário é que “temas como convivência com as secas, combate ao processo de desertificação, agricultura familiar e adaptação às mudanças climáticas são completamente omitidos em seu programa de governo”.

O pessoal do Letras viu que os programas de Marina, Alckmin e Ciro parecem sobrevoar a região lá do alto, falando generalidades e sem apresentar políticas claras para o desenvolvimento da região.

http://www.letrasambientais.com.br/posts/o-que-os-presidenciaveis-tem-a-dizer-sobre-o-semiarido-

 

SOS MATA ATLÂNTICA: “O FUTURO DO AGRO ESTÁ NO EQUILÍBRIO COM O MEIO AMBIENTE”

Em carta encaminhada aos presidenciáveis, a Confederação Nacional da Agricultura e outras organizações do agronegócio demandaram “completa rejeição à proposta de desmatamento zero, desmatamento líquido zero e moratória de qualquer cadeia produtiva”. Na carta, as organizações dizem que isto é necessário para que seja evitada “a repetição do ocorrido na Lei da Mata Atlântica, que é altamente restritiva, e, em certas situações, impede o uso racional dos recursos naturais”.

A Fundação SOS Mata Atlântica repudiou os ataques à Lei da Mata Atlântica e recomendou “que esse retrocesso não seja incorporado aos programas de governo dos candidatos”, porque isto “prejudicará, além do futuro dos brasileiros, a própria produção no campo e o alcance de metas nacionais e internacionais firmadas e ratificadas pelo Brasil”.

http://www.cnabrasil.org.br/sites/default/files/sites/default/files/uploads/plano_de_estado_completo_21x28cm_web.pdf

https://www.sosma.org.br/107458/o-futuro-do-agro/

 

POLÍTICA DE TRUMP PREJUDICA EXPORTAÇÕES DO ETANOL BRASILEIRO E É ALVO DE PROCESSOS MOVIDOS POR PRODUTORES DOS EUA

Trump continua no firme propósito de detonar os biocombustíveis dos EUA, cedendo mais benesses aos produtores de combustíveis fósseis. O alvo da vez é a obrigatoriedade da mistura de etanol na gasolina, política iniciada por Obama. O pessoal do etanol de milho abriu uma série de processos legais contra a EPA (Agência de Proteção Ambiental) por esta não estar divulgando, como manda a lei, as isenções concedidas aos pequenos produtores de petróleo. Uma resolução da EPA datada de 2016 determina a divulgação de informações a respeito destas isenções, incluindo o nome das refinarias, sua localização e o motivo do pedido. É isto que não está sendo cumprido. Em um outro processo, a RFA, a Associação Nacional de Produtores de Milho, e outras organizações apelam contra as isenções concedidas pela EPA aos fósseis.

Como Trump está conseguindo desobrigar a mistura de etanol na gasolina, a exportação de etanol brasileiro corre o risco de ser afetada. No ano passado, os produtores exportaram quase US$ 600 milhões. Com as benesses de Trump, o preço de referência do etanol caiu de US$ 0,70 por unidade no começo do ano para US$ 0,20 no início de agosto. Trump teve votação expressiva no chamado Corn Belt e enfrentará eleições legislativas em novembro. Tem muita gente achando que ele vai perder o controle do Congresso. Parece que Trump está tentando atirar no próprio pé… de milho.

https://www.valor.com.br/agro/5792579/produtores-de-biocombustiveis-dos-eua-processam-governo-trump

https://www.valor.com.br/agro/5795863/politica-de-trump-para-renovaveis-pode-afetar-exportacoes-brasileiras-de-etanol

 

PRIMEIRO MINISTRO DE SAMOA PEDE INTERNAÇÃO DE LÍDERES NEGACIONISTAS EM REUNIÃO DA ONU EM BANGCOC

O primeiro ministro de Samoa disse que são “completamente estúpidos” os líderes que negam a mudança do clima. Tuilaepa Sailele sugeriu levá-los a uma instituição mental.

Hoje acontece,  em Bangcoc, Tailândia, a última reunião da ONU preparatória à Conferência do Clima que acontecerá em dezembro na Polônia. Bangcoc carrega o simbolismo de ser, junto com Jacarta e Manila, uma das três grandes metrópoles mais ameaçadas pela mudança do clima. A cidade fica, em média, a um metro e meio acima do nível do mar. Durante as monções históricas de 2011, um quinto da cidade ficou debaixo d’água. E o Banco Mundial projeta que, até 2030, pouco mais de metade da cidade ficará acima do nível do mar.

Antes da reunião, Patrícia Espinosa, secretária-geral da Convenção do Clima (UNFCCC), disse que os países não estão no caminho do cumprimento das metas do Acordo de Paris que visam conter o aquecimento abaixo de 2oC. Para Espinosa, “1,5oC é a meta necessária para que muitas ilhas e países particularmente vulneráveis evitem efeitos catastróficos. Em muitos casos, significa a sobrevivência destes países. Com os compromissos que temos à mesa, estamos longe de um caminho que alcance esta meta”.

https://www.huffpostbrasil.com/entry/samoa-prime-minister-climate-change_us_5b8bb947e4b0511db3d98cb4

https://www.financialexpress.com/world-news/bangkok-set-to-host-un-climate-summit-amid-crisis-at-home/1300972/

https://www.reuters.com/article/us-thailand-climatechange/governments-not-on-track-to-cap-temperatures-at-below-2-degrees-u-n-idUSKCN1LI03S

 

GAROTA SUECA DE 15 ANOS FAZ “GREVE ESCOLAR” CONTRA A INAÇÃO CLIMÁTICA DO MUNDO POLÍTICO

A adolescente sueca, Greta Thunberg, 15 anos, se perguntou durante as ondas de calor de agosto “para que se preocupar em aprender alguma coisa na escola se os políticos não prestam atenção aos fatos?”. Greta entrou em greve escolar se recusando a ir à escola até as eleições gerais na Suécia no próximo dia 9. A pequena Greta não se parece em nada com o estereótipo da revolucionária, mas durante duas semanas sentou-se na porta do Parlamento sueco distribuindo folhetos explicando que estava “fazendo isso porque vocês adultos estão cagando no meu futuro”, literalmente. Ela diz que é sua “obrigação moral” fazer o que pode.

https://www.theguardian.com/science/2018/sep/01/swedish-15-year-old-cutting-class-to-fight-the-climate-crisis

 

PERSONALIDADES GLOBAIS DA CULTURA E DA CIÊNCIA PEDEM AÇÃO URGENTE PARA SALVAR O PLANETA

Na esteira da renúncia de François Hulot do governo francês, um grupo de artistas, cientistas e intelectuais lançou um apelo para que “frente ao maior desafio da história da humanidade, o poder político [aja] firme imediatamente. É o momento de ser sério. Vivemos um cataclisma planetário. Aquecimento climático, diminuição drástica dos espaço de vida, colapso da biodiversidade, poluição profunda do solo, da água e do ar, desmatamento rápido: todos os indicadores são alarmantes… Mas não é tarde demais para evitar o pior… Assim, nós consideramos que toda ação política que não faça da luta contra este cataclisma sua prioridade concreta, anunciada e assumida, não será mais crível. Consideramos que um governo que não faça do salvamento do que ainda possa ser salvo sua prioridade primeira não será levado a sério.” O apelo termina dizendo que “numerosos outros combates são legítimos. Mas se este for perdido, nenhum outro poderá ser enfrentado”. Assinam mais de 200 pessoas, dentre outras, Isabelle Adjani, Pedro Almodovar, Laurie Anderson, Yvan Attal, Alain Benoit, Juliette Binoche, John Boorman, Gabriel Byrne, Jane Campion, Bradley Cooper, David Cronenberg, Willem Dafoe, Alain Delon, Catherine Deneuve, Marianne Faithfull, Ralph Fiennes, Frah (Shaka Ponk), Isabelle Huppert, Anish Kapoor, Jude Law, Ibrahim Maalouf, Abd al Malik, Michael Ondaatje, Patti Smith, Abderrahmane Sissako, Kristin Scott Thomas, Kristen Stewart, Tom Stoppard, John Turturro, Wim Wenders e Jia Zhang-ke.

https://www.lemonde.fr/idees/article/2018/09/03/le-plus-grand-defi-de-l-histoire-de-l-humanite-l-appel-de-200-personnalites-pour-sauver-la-planete_5349380_3232.html

 

MÃO HUMANA É MAIS RESPONSÁVEL POR DESLIZAMENTOS DO QUE O CLIMA

Pesquisa publicada numa revista da European Geosciences Union analisou quase 5.000 deslizamentos ocorridos entre janeiro de 2004 e dezembro de 2016 que mataram mais de 55 mil pessoas. Análises anteriores se concentraram em eventos causados por tempestades, mas, neste trabalho o objetivo foi olhar um conjunto mais amplo de eventos. A distribuição geográfica não é uniforme, mas aponta para a Ásia como geografia dominante. A quantidade maior de ocorrências se dá de acordo com padrões regionais de anomalias climáticas. Mas não é possível correlacionar eventos climáticos globais, como um El Niño, com o aumento dos deslizamentos. A análise mostrou que atividades humanas são muito mais determinantes, entre elas construções, mineração ilegal e cortes em morros e encostas.

https://www.nat-hazards-earth-syst-sci.net/18/2161/2018/

 

Para ver

Entrando num site do New York Times com sua data de nascimento e a cidade onde nasceu, o site mostra o número de dias nos quais a temperatura da cidade passou dos 32oC desde de então (para os mais antigos, os dados começam em 1960). O site também mostra uma projeção até 2100. O site é gratuito durante este mês.

Também vale a pena dar uma olhada na animação feita no Flickr que mostra, para 193 países, as anomalias na temperatura média de cada ano desde 1880 até agora. No começo, os azuis (que indicam temperaturas mais baixas) são predominantes. Aos poucos os vermelhos (temperaturas mais quentes) vão se intensificando até que em 2017, tudo fica vermelho e laranja.

https://www.nytimes.com/interactive/2018/08/30/climate/how-much-hotter-is-your-hometown.html

https://www.flickr.com/photos/150411108@N06/30562013098/in/photostream/

 

#LutoMuseuNacional

Numa iniciativa comovente, embora um tanto inócua frente ao tamanho da tragédia que se abateu sobre o Museu Nacional, os estudantes de museologia da UNIRIO estão se mobilizando para preservar a memória do Museu, pedindo a todos que possuírem imagens (fotografias, vídeos e até selfies) do acervo e dos espaços expositivos que as compartilhem enviando-as para o e-mail abaixo. thg.museu@gmail.com

 

Você recebeu esta mensagem porque acreditamos que se interesse por notícias relacionadas às mudanças climáticas. Caso não deseje receber novamente este boletim diário escreva para climainfo@avivcomunicacao.com.br

Saiba mais no nosso website: www.climainfo.org.br, e siga o ClimaInfo nas redes sociais: www.facebook.com/climainfo e www.twitter.com/climainfonews