ClimaInfo, 8 de outubro de 2018

ClimaInfo mudanças climáticas

O CLIMA E O MEIO AMBIENTE NO 2º TURNO

Confirmado o 2o turno, será importante acompanhar os movimentos dos dois candidatos em busca dos quase 33% dos eleitores que não votaram neles. A maior parte da mídia internacional crava em Bolsonaro rótulos que vão de extrema-direita a fascista, inclusive a ultradireitista Breitbart. Na última semana, as ameaças de retirada do país do Acordo de Paris e o risco que ele representa para o meio ambiente em geral caíram mal, inclusive na mídia mais conservadora dos EUA e da Europa. Lembraram que as exportações tão caras ao agronegócio podem ser ameaçadas, se Bolsonaro decidir se colocar contra temas relevantes como a mudança do clima. O ex-capitão pode tentar seguir a trilha de Trump e dos governos conservadores australianos, mas verá que o país não tem nem de longe o mesmo cacife para bancar esse jogo.

Para a revista Época, membros da equipe de Ciro, Alckmin, Marina e Haddad comentaram os planos dos candidatos sobre o tema climático. A equipe de Bolsonaro preferiu não dar as caras. Vale dar uma lida e ver como Haddad vai ou não incorporar ideias e posições.

https://epoca.globo.com/o-que-dizem-os-autores-dos-programas-dos-presidenciaveis-sobre-combate-as-mudancas-climaticas-23128520

https://sustentabilidade.estadao.com.br/blogs/ambiente-se/vitoria-de-bolsonaro-pode-elevar-desmatamento-e-comprometer-ate-o-agronegocio-diz-ministro

https://www.ft.com/content/3cf6f0c8-c8a6-11e8-ba8f-ee390057b8c9

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/marcelogleiser/2018/10/medo-do-futuro-aquecimento-global.shtml

 

O RELATÓRIO IPCC 1,5oC PARA DECISORES POLÍTICOS FOI PUBLICADO

Saiu o esperado Relatório do IPCC que diz o que mundo precisa fazer para limitar o aquecimento global em 1,5oC acima dos níveis pré-industriais. O press-release do IPCC começa sem meias-palavras: “limitar o aquecimento global em 1,5oC demandaria mudanças rápidas, extensas e sem precedentes em todos os aspectos da sociedade. Com benefícios claros aos povos e aos ecossistemas naturais, limitar o aquecimento em 1,5oC, comparado com 2oC, pode garantir uma sociedade mais justa e sustentável”. Panmao Zhai, copresidente do Grupo de Trabalho I do IPCC, ressaltou que “uma das mensagens chave que sobressai com muita força desse relatório é a de que já estamos vendo as consequências do aquecimento global de 1oC se manifestando em mais eventos climáticos extremos, níveis crescentes do mar, redução do gelo marinho no Ártico, entre outros”. Limitar o aquecimento em 1,5oC requer mudanças rápidas e abrangentes em indústria, energia, edificações, uso da terra, transporte e nas cidades. Até 2030, as emissões de CO2 têm que ser reduzidas em cerca 45% daquelas de 2010 e, até 2050, chegar a um balanço zero (remover da atmosfera tudo que for emitido).

Debra Roberts, copresidente do Grupo de Trabalho III do IPCC, disse que “este relatório dá aos formuladores de políticas e aos profissionais a informação necessária para que tomem decisões que enfrentam a mudança do clima, ao mesmo tempo em que levem em consideração o contexto local e as necessidades das populações. Os próximos anos serão, provavelmente, os mais importantes da nossa história.”

https://sustentabilidade.estadao.com.br/blogs/ambiente-se/analise-relatorio-do-ipcc-forca-aquecimento-global-sobre-agenda-dos-candidatos-a-presidente/

http://www.ipcc.ch/pdf/session48/pr_181008_P48_spm_en.pdf

http://report.ipcc.ch/sr15/pdf/sr15_spm_final.pdf

https://www.vox.com/2018/10/5/17934174/climate-change-global-warming-un-ipcc-report-1-5-degrees

https://www.theguardian.com/cities/ng-interactive/2017/nov/03/three-degree-world-cities-drowned-global-warming

 

BRASIL PODE SEDIAR A COP 25

Agora é oficial: o Brasil havia colocado na mesa sua candidatura para sediar a Conferência do Clima do ano que vem, a COP25, já que é a vez da América Latina. Inicialmente, a Venezuela se opôs em represália aos vizinhos que não reconheceram a Constituinte venezuelana, a que manteve seu governo no poder. Nas últimas semanas, o corpo diplomático brasileiro superou a resistência de Caracas e o GRULAC – Grupo da América Latina e Caribe Espanhol – mandou uma carta ao secretariado da Convenção dizendo que ninguém se opunha à realização da COP 25 por aqui.

O último obstáculo potencial é nosso próximo presidente. Bolsonaro repetiu várias vezes que, à la Trump, quer tirar o país do Acordo de Paris. E aí, não faria sentido o mundo querer realizar a COP aqui.

http://www.itamaraty.gov.br/pt-BR/notas-a-imprensa/19604-candidatura-do-brasil-a-sede-da-cop-25

https://www.valor.com.br/brasil/5907093/candidatura-do-brasil-para-sediar-cop-25-avanca

 

DESMATADORES FINANCIAM ELEIÇÃO DA BANCADA RURALISTA

O pessoal do Ruralômetro compilou as doações de campanha recebidas pela bancada ruralista. Também levantou quem mais os mesmos doadores financiam. Cruzaram a lista de doadores com a lista de quem andou sendo multado pelo Ibama. Bingo. O seleto grupo de doadores pingou mais de R$ 11 milhões em campanhas eleitorais de governadores, senadores e deputados federais e estaduais. Entre eles, Rogério Rosso e Pedro Taques, candidatos derrotados aos governos do DF e do MT, e Antônio Anastasia e Fernando Pimentel, que disputaram o governo de MG (Anastasia foi para o 2o turno). A lista de candidatos ao senado inclui Renan Calheiros, Fernando Marques e Cristovam Buarque. O destaque da lista de candidatos a deputado federal é Luiz Nishimori, relator do PL do Veneno.

https://noticias.uol.com.br/politica/eleicoes/2018/noticias/2018/10/05/desmatadores-r-112-mi-178-candidatos-eleicoes-2018-doacoes-eleitorais.htm

 

A IMPORTÂNCIA DAS FLORESTAS PARA COMBATER O AQUECIMENTO GLOBAL

Um grupo de 40 cientistas do IPCC afirmou que preservar as florestas é tão imprescindível para o combate ao aquecimento global quanto parar de queimar combustíveis fósseis. Parar o desmatamento, portanto, é mandatório. Além disso, eles listam cinco dos motivos mais importantes para a preservação florestal: 1) tem mais carbono estocado nas florestas do que nas reservas de petróleo, gás e carvão; 2) as florestas removem 25% do CO2 emitido pela humanidade, evitando que o clima piore ainda mais; 3) manter o aquecimento abaixo de 1,5oC exigirá a restauração de muita floresta para que se extraia CO2 da atmosfera; 4) o melhor uso para a madeira é aproveitá-la em construções e móveis e não em esquemas ainda não comprovados de queima seguida da captura e armazenagem do CO2 no fundo da Terra; e 5) florestas tropicais mantém o clima fresco e são fundamentais para regimes de água das chuvas, rios e lagos que ajudam a garantir a produção de alimentos e energia.

Em tempo: só a parte brasileira da floresta amazônica tem 3 vezes mais carbono do que as reservas comprovadas do pré-sal.

http://www.climateandlandusealliance.org/scientists-statement/

http://www.diretodaciencia.com/2018/10/05/parar-desmatamento-e-tao-urgente-quanto-cessar-uso-de-combustiveis-fosseis/

https://oglobo.globo.com/sociedade/sustentabilidade/manter-as-florestas-a-forma-mais-eficiente-de-reduzir-emissoes-de-carbono-afirmam-cientistas-23126495

 

CHINA SOBRETAXA AÇÚCAR BRASILEIRO E VENDA DE ETANOL AUMENTA

A China está investindo em plantações de cana para produção de açúcar. A previsão para esta safra é a produção de quase 11 milhões de toneladas de açúcar. No ano passado, o governo impôs uma sobretaxa sobre o açúcar brasileiro. Por ter perdido uma parte do mercado, os produtores nacionais viraram a chave e passaram a produzir mais etanol. O preço do barril do petróleo já passou dos US$ 80 e tem gente apostando que encostará em US$ 100 no final ano. Tudo conspira para que o Brasil reduza suas emissões por meio da substituição da gasolina pelo etanol.

Em tempo: a configuração ‘restrição do mercado de açúcar e petróleo caro’ faria o crédito de carbono do Renovabio valer quase zero.

https://www.valor.com.br/agro/5903283/acucar-na-china

 

AUTOMOTIVAS PEDEM MAIS TRENS E NAVIOS

A indústria automobilística se juntou ao coro que reclama do custo logístico. Antonio Megale, presidente da Anfavea, disse que “dentro das fábricas, temos produtividade comparável a de outros países. Mas nossos custos logísticos podem ser quatro vezes maiores”. Eles pedem mais trens e barcos, mas ressalvam que “o transporte rodoviário é o único que tem capilaridade para finalizar a distribuição”.

Megale aproveitou para reclamar do excesso de impostos: “Não faz sentido eu ter dez vezes mais funcionários responsáveis por impostos no Brasil do que na matriz”. Interessante, porque são tranqueiras como o Rota 2030 que fazem a legislação de tributos e contribuições como o PIS/Cofins ter quase 2.000 páginas.
https://www1.folha.uol.com.br/colunas/mercadoaberto/2018/10/industria-automotiva-pede-aportes-em-infraestrutura-aos-presidenciaveis.shtml


COMBATER O AQUECIMENTO GLOBAL É RESPONSABILIDADE DE TODOS, NÃO SÓ DOS GOVERNOS

Pensando no Relatório do IPCC, Leo Barasi escreveu no Guardian que as medidas mais simples para a mitigação das emissões, como o fechamento de térmicas a carvão, estão se esgotando e que, agora, será preciso convencer o público a fazer mais sacrifícios. Barasi dá o exemplo do Reino Unido, que fechou várias térmicas a carvão sem muita resistência, já que as usinas não eram bem vistas. A partir de agora, a bola está com a população que precisará mudar hábitos como viajar de avião e comer carne bovina. O artigo passa a tentar entender porque quase todo mundo sabe que o aquecimento global existe, que é provocado pela humanidade e, mesmo assim, parece fazer de conta que não é com ele(a). A mudança do clima é “exatamente o tipo de ameaça que nossas mentes não são equipadas para se preocupar. Parece distante, quase toda no futuro e afetando os outros”. Fica fácil entender a percepção de cada um de que esses problemas não o afetarão. Uma segunda razão para essa apatia é a identificação do tema clima como sendo uma bandeira da esquerda e, nesses tempos polarizados, o outro lado passa a ignorar ou ir contra as medidas necessárias. Quase no final, Barasi deixa uma nota mais otimista dizendo que “cortar emissões pode trazer benefícios que incluem ar mais limpo, novas florestas e (em países de clima mais frio) edificações com melhor isolamento térmico. Pesquisas sugerem que esses podem ser os argumentos mais persuasivos para a ação climática”.

https://www.theguardian.com/commentisfree/2018/oct/05/climate-change-apathy-not-denial-threat-planet

 

FAKE NEWS: EÓLICAS NÃO CAUSAM AQUECIMENTO GLOBAL

Na semana passada, dois cientistas publicaram dois trabalhos em revistas bastante conceituadas dizendo que, nos EUA, parques eólicos podem acabar aquecendo a atmosfera mais do que se supunha, e mais até do que as mais modernas térmicas a gás. A notícia rodou o mundo rapidamente. Só que, em seguida, uma análise recheada de entrevistas com especialistas mostrou que as conclusões são errôneas. O movimento das pás é lento demais para esquentar o ar no seu entorno, elas redistribuem o calor do ar e até pode acontecer que a temperatura ao nível do chão aumente um pouco. Mas isso só bem perto da torre. Fora isso, os autores assumiram premissas irreais como supor que a participação das eólicas na matriz elétrica americana será 2,4 vezes maior do que as projeções do Departamento de Energia.

https://www.aweablog.org/fact-check-no-wind-turbines-not-cause-climate-change/

https://oglobo.globo.com/sociedade/ciencia/cientistas-alertam-para-impactos-ambientais-de-fontes-renovaveis-de-energia-23126497

 

O ClimaInfo é importante para você? Nos ajude a melhorar. Nos escreva, sugira melhorias, comente o que gosta e o que não gosta. Você não faz ideia de como pode ajudar a melhorar o ClimaInfo! Escreva para climainfonews@gmail.com

 

Siga o ClimaInfo nas redes sociais: www.facebook.com/climainfo e www.twitter.com/climainfonews