ClimaInfo, 25 de outubro de 2018

ClimaInfo mudanças climáticas

Novo no ClimaInfo

O QUE ACONTECERÁ NA AMÉRICA LATINA SE O AQUECIMENTO GLOBAL CHEGAR A 1,5oC? E SE PASSAR DISSO?

Na América Latina, como no restante do mundo, já vivemos em um mundo 1oC mais quente do que era antes da revolução industrial, e já sentimos muitos impactos deste aquecimento. O ClimaInfo compilou alguns exemplos do que acontecerá no nosso continente se chegarmos a 1,5oC e, também, se ultrapassarmos esta temperatura média.

http://climainfo.org.br/2018/10/24/relatorio-15oc-subestima-ameaca

 

A PREOCUPAÇÃO INTERNACIONAL COM O FUTURO DO BRASIL E DA AMAZÔNIA

O periódico “comunista” Financial Times vem publicando uma série de matérias sobre as eleições brasileiras, entrevistando gente daqui e analistas do mundo político e financeiro do resto do mundo. Claramente, o jornal entende que Bolsonaro pode vir a ser um risco à democracia pelo conjunto de discursos e intervenções que tem feito ao longo do tempo. O jornal também critica o enfraquecimento da legislação ambiental, no mínimo porque reduziria o volume de exportações e agravaria a crise econômica. E é extremamente cauteloso quanto à política econômica do “posto Ipiranga”, posto que, por enquanto, só existem balões de ensaio. O subtítulo de uma das matérias é “O Brasil ameaça se tornar parte de uma virada política global na direção contrária do liberalismo”, embora o tal posto Ipiranga se apresente como um liberal radical.

O The Guardian, vai direto ao ponto: “nosso planeta não aguentará muito mais populistas como o Bolsonaro. Logo agora que a Terra precisa de líderes pró-ambiente, aparecem cada vez mais ditadores ligados ao grande capital”. Para ser justo, o artigo do Guardian estende a crítica: “ao redor do mundo, a diminuição dos recursos está alimentando a subida de líderes autoritários, dedicados a seguir as ordens dos interesses globais mais ameaçadores ao meio-ambiente.”

https://politica.estadao.com.br/noticias/eleicoes,financial-times-bolsonaro-colocara-em-risco-a-democracia-no-brasil,70002561306

https://www.ft.com/content/86a29826-cad1-11e8-9fe5-24ad351828ab

https://www.ft.com/content/a4e40efc-d2ef-11e8-a9f2-7574db66bcd5

https://www.theguardian.com/commentisfree/2018/oct/24/planet-populists-brazil-jair-bolsonaro-environment

 

PAPA FRANCISCO FALA SOBRE O POPULISMO E O ÓDIO

Francisco estava, provavelmente, pensando nos países europeus e na discriminação aos imigrantes. Mas vejam se não cai como uma luva na nossa situação: “É importante que os jovens saibam como nasce o populismo. Penso em Hitler no século passado, que havia prometido o desenvolvimento da Alemanha. Sabemos como começam os populismos: semeando o ódio. Não se pode viver semeando ódio”.

https://g1.globo.com/mundo/noticia/2018/10/24/papa-alerta-para-avanco-do-populismo.ghtml

 

“BOLSONARO É UMA AMEAÇA AO PLANETA” (E À DEMOCRACIA)

Na semana passada, a jornalista Eliane Brum escreveu uma matéria com o título desta nota. Para ela, “apenas a possibilidade de [Bolsonaro] ser eleito tem funcionado como uma espécie de autorização para desmatar a floresta e matar aqueles que a protegem. Vários casos de violência contra lideranças e assentamentos de camponeses ocorreram na Amazônia neste período eleitoral. O Brasil já é o país mais letal para defensores do meio ambiente. Com Bolsonaro, os conflitos devem explodir.”

Em um segundo artigo publicado ontem, Eliane fala direto aos eleitores que não querem votar em nenhum dos candidatos, por tudo que Bolsonaro diz e representa, e pelo incontáveis problemas do PT. Eliane começa com o bicho papão mais novo do candidato: “Bolsonaro chama gente como eu e você, que lutamos pelos direitos humanos, pela igualdade e pelo meio ambiente, de “comunistas”. Como as palavras se  esvaziaram de sentido no Brasil, qualquer coisa, até o meu abajur, pode ser chamada de “comunista”. O comunismo, que não tem mais nenhuma relevância no mundo, só sobrevive na boca de gente como Bolsonaro.” E, quase ao final do artigo, declara ter “convicção de que, neste momento, quando o que está em jogo é a própria democracia, porque o projeto de Jair Bolsonaro nega os fundamentos democráticos, votar em branco, anular o voto ou não votar está fora do campo das possibilidades. Votar em branco, anular o voto ou deixar de votar não é posição neste momento, mas omissão. E omissão é um tipo de ação. Neste momento, o pior tipo de ação possível.”

https://brasil.elpais.com/brasil/2018/10/17/opinion/1539799897_917536.html

https://brasil.elpais.com/brasil/2018/10/24/opinion/1540394956_656180.html

 

A POLÍCIA NÃO PODE MAIS PROTEGER AGENTES DO IBAMA E ICMBio

Muitas vezes os fiscais do Ibama e do ICMBio pedem apoio às Polícias Militares quando é preciso agir em área conflitadas. Em face da escalada de violência contra funcionários e instalações, a polícia do Pará achou por bem ficar nos quartéis e não por em risco a integridade de seu pessoal. Assim, uma missão do ICMBio no sudoeste do estado, se ocorrer, não terá proteção policial. Numa das vilas do distrito de Trairão, grupos queimaram uma ponte, obstruíram outra e também impediram o acesso à uma estrada por onde a equipe deveria passar para sair do local. Parte dos manifestantes, segundo denúncias, chegaram a atirar para cima para intimidar os agentes. Neste caso, passa a impressão de que inação da polícia a torna cúmplice dos crimes cometidos nas sua ausência.

O Estado não pode ter medo de entrar em certas regiões, ou este será seu fim.
https://g1.globo.com/pa/para/noticia/2018/10/23/pm-suspende-temporariamente-apoio-as-acoes-do-icmbio-no-para-apos-denuncias-de-ameacas.ghtml

https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2018/10/instituto-chico-mendes-sofre-mais-ataque-e-servidores-citam-clima-pesado.shtml

 

OS RISCOS COLOCADOS POR BOLSONARO À PAUTA COMERCIAL DA SOJA

O Financial Times fala da importância que a soja tem nas economias locais e nacional. E aponta os riscos que gestos como a ameaça de saída do Acordo de Paris ou um aumento significativo do desmatamento poderiam ter para a balança comercial e dos produtores. O artigo destaca o desmatamento no Cerrado. O subtítulo da matéria é “Atenção internacional voltada para o desmatamento no rico cerrado do país”. E cita um compromisso de uma das maiores traders do planeta, a Louis Dreyfus, no sentido de “eliminar o engajamento com, ou financiar, o desmatamento” do Cerrado e a parceria entre o Santander, a Bunge e a ONG TNC para apoiar produtores rurais comprometidos com a preservação da vegetação nativa no Cerrado. Ruralistas radicais podem ter ganho um pedaço do coração de Bolsonaro. Mas será divertido ouvir chamar a Dreyfus, a Cargill e a ADM de ‘comunistas’ e a intenção de prendê-las ou expulsá-las do país.

https://www.ft.com/content/c54abafe-ad30-11e8-8253-48106866cd8a

 

RURALISTA AMIGO DE BOLSONARO MOSTRA NOVAMENTE QUE NÃO SABE NADA DO ACORDO DE PARIS

Nabhan Garcia foi conversar ontem com Bolsonaro e saiu desdizendo que seria uma boa submeter a pasta do Meio Ambiente à da Agricultura. Por outro lado, demonstrou novamente que não só não leu o Acordo de Paris, como não faz a menor ideia do que ele trata. Agora Nabhan quer mexer no que acha ser o compromisso brasileiro perante o Acordo e acrescentar a palavra “ilegal” à tese do desmatamento zero: “Alguns pontos do Acordo de Paris que ferem a nossa soberania e o nosso direito de propriedade precisam ser revistos. Nós temos uma legislação”. Convenhamos que o ‘moço’ orna com o nível geral do candidato e sua claque.

Em tempo: a NDC brasileira não menciona desmatamento nenhum. O tema apareceu no anexo à versão pré-Paris e foi incorporado à Política Nacional. E não só não há qualquer gotinha de ingerência estrangeira, como a meta anunciada é a de desmatamento ilegal zero até 2030. Garcia está correndo o risco de ser tachado de comunista e de agente infiltrado do PT para corroer a imagem do candidato.

https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/10/fusao-de-ministerios-da-agricultura-e-meio-ambiente-pode-ser-revista-diz-aliado-de-bolsonaro.shtml

 

FICAREMOS PRESOS A TÉRMICAS A GÁS ATÉ 2038?

O ministro da energia, Moreira Franco, quer realizar dois leilões, um deles ainda este ano, e é difícil dizer qual é pior. O desse ano é uma invenção que ameaça a coluna vertebral do sistema elétrico representada por um sistema de transmissão conectando o país todo. Franco quer um leilão de uma térmica a gás para atender apenas a região nordeste. Tem gente que diz que os hábitos de consumo são regionais e que, por isso, a geração elétrica também o deveria ser. Mostram, assim, entender zero de eletricidade. Elétrons, quando entram numa linha de transmissão, sofrem de amnésia instantânea e esquecem do local de origem. Nos bastidores, diz-se que ministro e amigos querem dar uma ajuda inocente ao futuro vencedor do leilão.

O outro leilão só deve acontecer depois da troca de governo. Ele quer contratar a chamada “energia de reserva” de térmicas a gás. Se acontecer, as vencedoras terão um contrato fechado por 15 anos, começando em 2023. Isso quer dizer que o país será responsável pelas emissões destas plantas até 2038. Exatamente na contramão do esforço que o mundo precisa fazer para conter o aquecimento global em 1,5oC.

https://www.valor.com.br/empresas/5943929/consulta-publica-discute-nova-regra-para-leiloes-de-energia-de-reserva

 

EUROPA GASTA QUASE MEIO BILHÃO DE EUROS EM CAPTURA E ARMAZENAMENTO DE CARBONO SEM MUITO SUCESSO

A União Europeia fez um investimento direto de € 424 milhões para mostrar que plantas de captura e armazenamento de carbono (CCS – carbon capture and storage) funcionam. Até agora, o resultado é pífio. O dinheiro foi investido em seis plantas que pegariam dióxido de carbono de chaminés de térmicas e fábricas e o aprisionaria em fendas geológicas de onde não mais pudesse escapar. O dinheiro para as plantas foi para  Quatro das plantas fecharam depois de terem gasto suas verbas sem produzir resultados. Uma planta nem teve sua obra concluída. A única que chegou a funcionar também era a única em pequena escala e longe de poder demonstrar viabilidade comercial. Artigo da Quartz lembra o ‘dilema Tostines’, o CCS é muito caro porque não foi aplicado em escala ou não consegue atingir escala porque é muito caro. Na verdade, parece que enterrar gás no subsolo não é tão simples quanto muita gente acredita. A questão é que, para quem gosta de soluções tecnológicas, o CCS parece ser o único caminho para enxugar o excesso de CO2 da atmosfera.

https://qz.com/1431655/the-eu-spent-e424-million-on-carbon-capture-with-little-to-show-for-it

 

A PARTIR DE 2025, AMSTERDÃ SÓ ACEITARÁ BARCOS ELÉTRICOS NOS SEUS CANAIS

Amsterdã é a cidade das bicicletas e dos canais que cortam a cidade por toda parte, canais que foram construídos no século 17. Como os barcos usam motores diesel, os canais estão cada vez mais poluídos. Assim, para reduzir a poluição da água, do ar, a sonora e ainda combater o aquecimento global, a cidade decidiu que, daqui a sete anos, só barcos elétricos poderão navegar pelos seus canais. Pelas contas de proprietários de barcos, o investimento é bem alto, mas se paga em menos de 12 anos. Hoje, existem em torno de 150 barcos autorizados a percorrer os canais com turistas. Só um deles é elétrico.

http://ciclovivo.com.br/arq-urb/mobilidade/barcos-amsterda-100-eletricos

https://www.bbc.com/news/business-45783085

 

O ClimaInfo é importante para você? Nos ajude a melhorar. Nos escreva, sugira melhorias, comente o que gosta e o que não gosta. Você não faz ideia de como pode ajudar a melhorar o ClimaInfo! Escreva para climainfonews@gmail.com

 

Siga o ClimaInfo nas redes sociais: www.facebook.com/climainfo e www.twitter.com/climainfonews