BOLETIM

Boletim

ClimaInfo, 25 de abril 2018

O NORDESTE CONTINUA SOFRENDO COM SECA HISTÓRICA

Para a segunda matéria da série da Folha de S. Paulo sobre impactos das mudanças climáticas, Fabiano Maisonnave andou pelas regiões mais afetadas pela mais longa seca que o Nordeste já enfrentou. A região do semiárido continua crescendo. Só no ano passado, mais 73 municípios foram assim classificados, visto que, neles, choveu menos de 800 mm, um dos critérios para entrar no clube. A descrição confirma a desolação e a pobreza conhecidas, com o agravante de não haver luz no túnel. Climatólogos discutem em que medida a mudança do clima contribui para os mais de seis anos secos. Mas todos concordam que, se o mundo não combater a sério o aquecimento global, esta seca deixará de ser excepcional, passando a ser o novo normal. Por ora, se o governo completar a transposição do rio São Francisco, ajudará a amenizar a situação. Amenizar somente, porque se não houver mais obras nos açudes e nas ligações entre eles e as águas do Velho Chico, boa parte da região continuará seca. A matéria, além de ter fotos tristemente lindas, traz infográficos contando a história das secas já registradas.

http://arte.folha.uol.com.br/ciencia/2018/crise-do-clima/nordeste/seca-historica-ja-dura-seis-anos-e-ameaca-tornar-se-regra-no-semiarido/

 

SÃO PAULO TERÁ MENOS ÔNIBUS, E METRÔ SEGUE PRECÁRIO

A nova administração da prefeitura de São Paulo finalmente abriu a licitação para a renovação da concessão do transporte por ônibus por um prazo de 20 anos. A administração decidiu reorganizar toda a malha buscando otimizar os fluxos. O resultado é que foram cortados quase 150 trajetos e estão previstos menos 650 ônibus em operação. Diz quem planejou que os trajetos serão menores, portanto os mesmos ônibus farão mais viagens e, assim se espera, carreguem mais gente. Nas planilhas as coisas costumam funcionar bem, mas vamos esperar o choque de realidade e ver se vai ter muita gente passando ainda por mais perrengues. Não deixa de ser curioso pensar que a cidade continua crescendo, mas terá menos linhas e menos ônibus a atendê-la.

Sobre o Metrô, logo antes de desembarcar do governo do estado para lançar sua candidatura à presidência, Alckmin inaugurou, na correria, algumas estações. Umas delas, foi prometida por ele ainda no primeiro dos dois mandatos e meio que exerceu. Algumas das novas estações foram logo depois fechadas, possivelmente para que  se possa terminar as obras. Outras estão em funcionamento precário. E ontem, o metrô de São Paulo completou 50 anos com uma pane em uma das linhas, causando enorme transtorno, que foi minorado pelos vários ônibus colocados a rodar para atender os usuários.

https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2018/04/24/prefeitura-confirma-corte-de-146-linhas-de-onibus-e-promete-atrair-passageiros.htm

http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,prefeitura-de-sp-divulga-edital-para-concessao-de-linhas-de-onibus-municipais,70002281491

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/04/falta-de-energia-trava-trens-e-fecha-estacoes-da-linha-1-azul-do-metro.shtml

 

ALTA DO PETRÓLEO ANIMA PETROBRAS

Nos últimos dois meses, o preço do petróleo voltou a subir, movido por uma Arábia Saudita quietinha e pelo temor de uma guerra comercial entre Trump e a China. Se no ano passado, o preço do barril oscilou entre US$ 60 e US$ 65, neste ano já ultrapassou a marca dos US$ 70. O pessoal da Petrobras está sorrindo aliviado pela ajuda recebida, até certo ponto inesperada, para cobrir os rombos que a Lava Jato revelou e as multas que das revelações decorreram na bolsa de Nova York. Os novos preços do barril já elevam as expectativas do mercado e as previsões do governo quanto às receitas dos leilões de áreas do pré-sal. Afinal, o governo também tem um rombo bilionário a cobrir.

http://www.valor.com.br/brasil/5477215/petroleo-em-alta-e-leiloes-podem-render-r-56-bilhoes-neste-ano

 

EM MENOS DE UM ANO, RURALISTAS DERRUBARAM DOIS PRESIDENTES DA FUNAI, MAS NÃO EMPLACARAM SUCESSOR

O novo presidente da Funai tem, como principal atributo, ter sido indicado por André Moura (PSC), além de ser “administrador com especialização em mediação”, segundo nota do ministério da justiça. Pelo jeito, o cargo é cativo do partido que indicou os dois anteriores na era Temer. O general que saiu tinha sangue índio e passou muito tempo no Norte do país. O novo presidente não tem nada no seu currículo relacionado com a questão indígena. Com a bancada ruralista louca para se apropriar de terras indígenas por vários artifícios e os povos indígenas cada vez mais organizados e dispostos a lutar, o novo presidente terá que fazer muita média para durar até o final do governo Temer.

http://www.valor.com.br/politica/5477191/ruralistas-derrubam-presidente-da-funai-mas-psc-mantem-vaga#

 

CEMIG JUNTA PAINÉIS FOTOVOLTAICOS COM SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ELETRICIDADE

A Cemig aplicará R$ 40 milhões em dois projetos de armazenamento de eletricidade. O primeiro envolverá painéis fotovoltaicos ligados a baterias, para que os consumidores possam guardar a energia gerada nos painéis para uso no horário de ponta; este é o período de maior consumo, no qual a tarifa é 3 vezes maior que no restante do dia. Armazenando eletricidade, o consumidor poderá reduzir sua conta de luz. O outro projeto também envolve baterias, mas ligadas à rede da própria Cemig. O projeto será uma bancada de testes em escala real para testes de diferentes tipos de bateria.

Como as rede de distribuição de eletricidade são dimensionadas para atender ao pico de demanda, um alívio neste período pode ser um bom negócio para a empresa, já que permite jogar para frente gastos com reforços de subestações e transformadores na rede.

http://www.valor.com.br/empresas/5477095/cemig-vai-investir-no-armazenamento-de-eletricidade#

 

NORTE-AMERICANOS RICOS SE APROVEITAM DA MUDANÇA CLIMÁTICA

O processo de ocupação de regiões de uma cidade por gente rica que desloca gente mais pobre para outras áreas ganhou o nome de “gentrificação”. É isso que está acontecendo ao longo do litoral Atlântico dos EUA por causa da mudança do clima. Muita gente tinha suas pequenas casas ou até trailers na beira d’água, ou em pequenas ilhas ao longo da costa. Algumas destas casas foram destruídas recentemente por furacões. Como vários dos habitantes não estavam aptos a receber ajuda governamental, acabaram abandonando as áreas, levando o que sobrou. Outras áreas na região estão sendo desocupadas porque as prefeituras têm obrigado o pessoal a sair de suas casas por conta dos riscos colocados pela elevação do nível do mar e das marés. Entretanto, gente mais rica, que tem condições de aproveitar estes paraísos construindo casas mais altas – ou protegidas por muros e bombas d’água – vem comprando estas áreas desocupadas por uma mixaria.

http://iopscience.iop.org/article/10.1088/1748-9326/aabb32

https://www.bloomberg.com/news/articles/2018-04-23/the-latest-climate-threat-for-coastal-cities-more-rich-people

https://www.wsj.com/articles/the-new-fear-in-miami-climate-gentrification-1524225720

https://thinkprogress.org/rising-seas-hit-u-s-coastal-property-values-a-pricing-signal-from-climate-change-848bf4e7443b/

 

9.500 NOVOS ÔNIBUS ELÉTRICOS COMEÇAM A RODAR NA CHINA A CADA CINCO SEMANAS

Os chineses inundaram o mercado com aço e alumínio, inundaram o mercado de células fotovoltaicas e estão no caminho de fazer o mesmo com ônibus elétricos, a ponto de executivos petroleiros começarem a prestar atenção. A cada cinco semanas, 9.500 novos ônibus elétricos começam a rodar. Isso é o mesmo que a frota inteira de ônibus em Londres. A frota elétrica de Shenzhen é do mesmo tamanho que a frota toda de São Paulo. Como nos exemplos anteriores, o governo chinês enfiou muito dinheiro para que a indústria ganhasse escala e puxasse os preços para baixo. Isso aconteceu tanto para os ônibus em si como, principalmente, para as baterias de lítio-íon. O resultado é uma frota cada vez mais limpa e, portanto, cidades com menos problemas de poluição. O que chamou a atenção do pessoal do petróleo foi que, neste ano, a China evitará a queima de quase 300 mil barris de combustíveis por dia. O Brasil queima quantidade equivalente em diesel a cada 3 dias em caminhões, ônibus e outros equipamentos.

https://www.bloomberg.com/news/articles/2018-04-23/electric-buses-are-hurting-the-oil-industry

http:www.vox.com/energy-and-environment/2018/4/17/17239368/china-investment-solar-electric-buses-cost

 

¼ DOS PAÍSES JÁ ADOTAM UM PREÇO PARA AS EMISSÕES DE CARBONO

Na semana passada aconteceu uma conferência sobre as diferentes maneiras adotadas pelos países para colocar um preço sobre as emissões. Muitos optaram por um imposto de carbono. Alguns instituíram mercados de carbono e ainda tem países que adotaram as duas medidas. Hoje, ¼ dos países do globo “precificaram as emissões”. Poucos, como os nórdicos, estão fazendo isso a sério, colocando preços altos capazes de fazer muita gente deixar o carro em casa para evitar o elevado preço da gasolina. A maioria dos países que adotaram um preço para suas emissões está sendo mais cautelosa, mantendo o preço baixo o suficiente para não atrapalhar os negócios, mas, ainda assim, altos o suficiente para que a economia preste alguma  atenção. Aqui no Brasil, muitos seminários, workshops e webinars discutem a questão. Como estamos saindo lentamente da maior recessão da nossa história, alegam alguns, colocar um preço sobre as emissões agora prejudicaria a recuperação da economia. Se alguns poucos países já estão correndo a maratona e muitos estão na pista se aquecendo, parece que o Brasil decidiu ficar na esteira: gasta muito tempo e energia, mas não sai do lugar.

https://www.i4ce.org/download/global-carbon-account-2018/

https://www.businessgreen.com/bg/news/3030737/report-carbon-pricing-now-covers-up-to-a-quarter-of-global-greenhouse-gas-emissions

 

NOVA JERSEY PROÍBE EXPLORAÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NO MAR

O estado de Nova Jersey proibiu, por lei, a exploração de petróleo e gás no seu litoral, um ato que cria um obstáculo respeitável aos desejos fósseis de Trump, que quer abrir todas as águas norte-americanas às petroleiras. Pelas regras deles, o estado manda numa faixa de mar de pouco mais de 5 km a partir da costa. Assim, os estados não podem proibir que o governo federal dê concessões de exploração para além deste limite. Mas o estado pode proibir a passagem de dutos nas suas águas e a construção de docas para recebimento dos fósseis, o que, na prática, inviabiliza a exploração. Vale notar que a lei foi aprovada pelos dois partidos e a justificativa dos republicanos se baseou nos enormes prejuízos causados pelo furacão Sandy, em 2012, e pelo lento aumento do nível do mar.

Em tempo: Nova Jersey foi durante muito tempo a sede da Standard Oil, que fez a fortuna dos Rockefeller, e foi a maior petroleira durante décadas, até ter sido obrigada a se dividir. A parte da divisão que continuou no estado é a precursora da poderosa Exxon. Parece que o petróleo já não traz mais felicidade para o estado.

https://www.ecowatch.com/new-jersey-offshore-drilling-ban-2562603514.html

 

PRUITT USA TÁTICAS CONHECIDAS DA INDÚSTRIA DO TABACO

#1: Scott Pruitt, o cada vez mais controverso diretor da Agência de Proteção Ambiental norte-americana, foi buscar nos registros históricos as táticas usadas pela indústria do tabaco no século passado para confrontar a ciência do clima. Além de constantemente colocar em dúvida o fato da esmagadora maioria dos cientistas atribuírem o aquecimento global à ação humana, Pruitt quer criar uma série de critérios para que um trabalho científico possa substanciar uma regulação ambiental. Crie um inferno kafkiano de critérios e a ciência não mais conseguirá colocar seu conhecimento na mesa.

# 2: Pruitt declarou que toda a queima de biomassa é, por definição, de emissão zero; que toda a biomassa é renovável. Com isso, ele dá uma grande ajuda à indústria de pellets de madeira, que se tornou importante nos estados que viviam do carvão. Certamente, queimar madeira de reflorestamento é melhor do que queimar carvão. A menos que alguém tenha derrubado uma bela e frondosa floresta nativa para plantar pinheiros. Neste caso, as emissões do desmatamento teriam que ser atribuídas aos pellets. E foi isso que Pruitt acaba de dizer que não, não interessa o histórico do uso da terra, pode desmatar a vontade que seu pellet será para sempre renovável.

# 3: O Guardian publicou uma matéria afirmando que Pruitt coloca os lucros à frente das vidas dos norte-americanos.

https://www.dailykos.com/stories/2018/3/19/1750198/-Pruitt-Plans-to-Use-Big-Tobacco-Plan-To-Gut-EPA-Science-Protecting-the-Public

http://thehill.com/policy/energy-environment/384441-pruitt-declares-that-burning-wood-is-carbon-neutral

https://www.theguardian.com/environment/climate-consensus-97-per-cent/2018/apr/23/pruitt-promised-polluters-epa-will-value-their-profits-over-american-lives

 

Siga o ClimaInfo nas redes sociais: www.facebook.com/climainfo e www.twitter.com/climainfonews