BOLETIM

Boletim

ClimaInfo, 21 de fevereiro de 2018

TIRANDO AS MÁSCARAS DAS FACES DO AGRO MARKETING

Carlos Rittl e Raoni Rajão escreveram no Valor de ontem tirando delicadamente as várias máscaras do marketing do agro-tudo. O agro, ao mesmo tempo, pratica uma pecuária perdulária e teve um aumento excepcional de produtividade de grãos. Desmata cada vez mais o Cerrado, para não ficar apontando o dedo o tempo todo para a Amazônia, mas responde por 25% do PIB. Os dois autores tratam de colocar os números propagados por ministros e bancadas no devido lugar, mostrando que o que aparece na TV, discursos e manchetes, é só parte da história. Por exemplo, quando os agroboys dizem que a agricultura brasileira ocupa 7,6% do território, esquecem da pecuária, que eleva essa fração para 33%, a média dos países de maior produção agrícola no mundo. Os autores dizem que “qualquer discussão adulta sobre a importância e os desafios do agronegócio brasileiro precisa abandonar a seletividade na escolha de números e encarar com coragem o agro por inteiro. Dourar a pílula pode fazer bem ao ego e ajudar a justificar barbaridades no Congresso que só atrapalham a banda modernizadora do setor produtivo. Mas, num mundo em que sustentabilidade e baixo carbono deixaram de ser pauta ambientalista e passaram a estratégias de negócios, malabarismos estatísticos não enganam mais ninguém.”
http://www.valor.com.br/opiniao/5332983/agro-e-tudo-mas-nem-tudo-e-pop


MAIS 300 MW RENOVÁVEIS

Como já falamos, o Brasil passou o Canadá e se tornou dono da 8a maior geração eólica do mundo. E a expansão das renováveis continua firme. A Enel começou a operar sua planta fotovoltaica no sertão da Bahia com 330 mil painéis solares, uma capacidade instalada de 106 MW e, pelas estimativas da empresa, vai gerar o suficiente para suprir 108 mil residências por ano. E a Votorantim inaugurou sua planta no Piauí, com 206 MW, na qual investiu cerca de R$ 1,1 bilhão.
http://ciclovivo.com.br/planeta/energia/parque-solar-com-330-mil-paineis-inicia-operacao-na-bahia/

http://www.valor.com.br/empresas/5321105/votorantim-energia-inaugura-complexo-eolico-no-piaui


SUSPEITA DE POLUIÇÃO DE INDÚSTRIA DE ALUMÍNIO PERTO DE BELÉM

Choveu forte em Belém no sábado passado e a água encheu um reservatório de rejeitos da fábrica de alumínio da Hydro Alunorte, em Barcarena, a maior planta em operação no país. Há suspeitas de que parte da água ou dos rejeitos tenham vazado para o canal ao sul da Ilha de Marajó. Fiscais da Secretaria do Meio Ambiente constataram que, apesar da chuva ter inundado boa parte da área da planta, não houve vazamentos ou transbordamentos. Mas o vídeo da Globo, abaixo, impressiona.
http://www.valor.com.br/empresas/5329325/mp-apura-possivel-vazao-de-rejeitos-da-hydro-alunorte#

https://g1.globo.com/pa/para/noticia/moradores-ficam-assustados-com-possivel-vazamento-de-dejetos-de-mineradora-em-barcarena.ghtml


AS MUDANÇAS NO SETOR ELÉTRICO

Temer recebeu o texto final sobre a mudança do marco legal do setor elétrico. Depois que o governo Dilma deu uma senhora desorganizada no setor, quase levando à falência distribuidoras e geradoras, o que foi somado aos atrasos do início de operação de algumas usinas de grande porte, a conta, muito alta, acabou caindo no bolso do consumidor. Isso mostrou várias rachaduras no edifício elétrico e algumas, das sérias, nas fundações. O novo modelo se propõe a consertar muito disso. O governo espera ganhar novamente a confiança do investidor externo, que trocou a insegurança jurídica daqui por terras mais seguras. No bojo, vem a sustentação do apoio à entrada das renováveis, se bem que, na visão do setor, complementadas por térmicas a gás natural. O governo está fazendo força para que o novo projeto de lei seja votado pelo Congresso logo.
Ao mesmo tempo, a EPE (Empresa de Pesquisa Energética) começará um levantamento e um estudo detalhado do que precisa ser feito, em termos de operação e expansão, para suportar o aumento das eólicas e fotovoltaicas, dando cabo à tal intermitência da geração destas fontes. A EPE quer levantar os pontos críticos e como mitigar seus impactos. A empresa fez uma parceria com o setor elétrico alemão, que já tem muita experiência acumulada com as renováveis e desenvolveu um ferramental de OP modelagem que será usado pela EPE.
http://www.mme.gov.br/web/guest/consultas-publicas (ver a Consulta no. 33)

http://www.valor.com.br/brasil/5320487/governo-briga-contra-o-tempo-para-aprovar-acoes-no-setor-eletrico

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53051762/epe-giz-e-ons-iniciam-estudo-sobre-insercao-das-renovaveis-na-matriz-energetica-nacional


GASOLINA NACIONAL É A 2a MAIS CARA ENTRE OS PAÍSES PRODUTORES DE PETRÓLEO

A política de preços da Petrobrás deveria acompanhar as flutuações do mercado, ao mesmo tempo deixando de ser usada para controlar a inflação ou influir em eleições. Depois da quebradeira pós-Lava Jato, Pedro Parente foi apontado como presidente e tratou de implantar uma dinâmica de sobe e desce dos preços da gasolina e do diesel. A ideia até seria simpática, se não fosse o fato da nossa gasolina ter se tornado a segunda mais cara entre os maiores países produtores de petróleo. A mais cara ainda é a da Noruega, que tem um tremendo imposto sobre emissões embutido no seu preço.

Como anda, a política de realismo nos preços não passa de um disfarce para encher os cofres da empresa. Poderiam pelo menos dar a desculpa de que estão ajudando a vender mais etanol e descarbonizar nossa matriz energética.
http://www.valor.com.br/brasil/5329447/gasolina-do-brasil-e-2-mais-cara-do-mundo


USINAS VÃO PRODUZIR MAIS ÁLCOOL DO QUE AÇÚCAR

O preço do açúcar caiu no mercado internacional influenciado pela decisão da Europa de abolir quotas de importação e deixar o mercado seguir à vontade. Assim, vários usineiros vão dedicar mais cana para a produção de etanol do que nos últimos tempos. Para a safra que começa no mês que vem, a proporção do caldo de cana processado para etanol deve subir quase 10%. Mesmo assim, como o preço da gasolina subiu, claro que o do álcool foi atrás.
http://www.valor.com.br/agro/5329361/usinas-confirmam-que-vao-elevar-apostas-no-etanol-na-safra-201819#


O FUTURO DOS CARROS

Bob Lutz, ex-chefe de desenvolvimento de produtos na General Motors, ilustra bem as perspectivas do carro num futuro bem próximo. Num artigo recente ele diz acreditar que o carro particular desaparece em 20 anos. O carro será substituído por módulos autônomos, uma combinação de transporte público rápido e compartilhados autônomos.
http://www.valor.com.br/empresas/5329327/carro-do-futuro-desafia-grandes-lideres-do-setor


TRUMP CORTA VERBA DE PESQUISA, MAS COMEÇA A VER SEUS ATOS REVOGADOS NA JUSTIÇA

Nos primeiros meses de seu mandato, Trump e a EPA (Agência de Proteção Ambiental) revogaram uma única regulação ambiental – uma que proibia dentistas de jogarem o amálgama de fechar obturações no esgoto e acabar contaminando rios e córregos com mercúrio. A revogação durou só até junho quando organizações ambientais entraram na justiça e ganharam. Isso porque o pessoal da EPA fez um péssimo trabalho ao redigir a revogação, abrindo a brecha para o processo. As organizações já avisaram que esperam revogar várias das medidas da EPA devido ao descaso com que a letra da lei é tratada nesse governo.
Por outro lado, Trump está passando a faca nos orçamentos de pesquisa e desenvolvimento. Duas facadas chamam muito a atenção. A primeira será na USGS (sigla em inglês da Sociedade Geológica Americana) e atingirá a pesquisa dos impactos à saúde da exploração e extração de recursos minerais, incluindo petróleo, gás e o fraqueamento. A outra cortará diretamente as pesquisas em fontes renováveis de energia.
https://www.theguardian.com/environment/2018/feb/20/donald-trump-epa-environmental-rollbacks-court-challenges

https://earther.com/trump-wants-to-kill-research-into-how-oil-and-gas-impac-1823080171

https://nexusmedianews.com/trump-wants-to-cut-funding-for-clean-energy-research-in-half-cf27a7dbecf6


A REGIÃO DE TORNADOS NOS EUA ESTÁ SE DESLOCANDO PARA LESTE

Quem conhece um pouco os EUA sabe que a Tornado Alley (alameda dos tornados) é a região onde se concentram os grandes tornados durante a primavera. Ela compreende boa parte dos estados do Texas, Oklahoma, Kansas e Nebraska. Pelo menos era assim até pouco tempo atrás, mas a concentração de tornados começou a se deslocar para leste, para os estados do Alabama e Tennessee. O tornado mais forte já medido passou numa cidade bem longe da tal alameda. Pesquisadores dizem que não dá para apontar o dedo para a mudança do clima. Tornados se formam quando ventos em diferentes alturas ficam desalinhados e uma massa de ar quente passa entre eles fornecendo a energia do tornado. O aquecimento global favorece esse último, mas diminui a chance do primeiro. E os modelos ainda não mostraram o deslocamento para leste.
http://www.joplinglobe.com/news/local_news/researchers-see-shift-in-tornado-activity/article_558fc52c-b614-5211-ab54-7f8e993781e9.html


CORREÇÕES:
Na edição de 2a feira cometemos um erro e um possível mal-entendido. A nota sobre a compensação das emissões da aviação se baseou num artigo do pessoal do IDESAM, e não do IPAM.
Na nota sobre a conversão das multas do Ibama, nos foi informado que “A escolha dos projetos só será feita após a publicação do edital, conforme estabelece o decreto de conversão de multas. Esse é o rito que o Ibama está seguindo e não serão escolhidos essa semana.”
Agradecemos a colaboração.

 

Siga o ClimaInfo nas redes sociais: www.facebook.com/climainfo e www.twitter.com/climainfonews