Novo relatório do IPCC: cortes rápidos nas emissões são vitais para a garantia da segurança alimentar

O bem-estar dos solos do nosso planeta é fundamental para o nosso futuro e para o futuro da vida sobre o Planeta. Para cumprir as metas do Acordo de Paris, precisamos melhorar a gestão e o uso da terra, transformar a agricultura em uma solução climática e reduzir as emissões de combustíveis fósseis – tudo ao mesmo tempo.

 

Depois de avaliar mais de sete mil artigos científicos e processar mais de 28 mil comentários de governos e revisores especializados, 107 cientistas de 52 países diferentes chegaram à redação final do Relatório Especial do IPCC sobre Mudança Climática e Terra (SRCCL). O Sumário do relatório foi negociado e aprovado por governos de 195 países.

O relatório descreve os desafios específicos da mudança climática para a superfície terrestre e seus solos. O Sumário para os Formuladores de Políticas (SPM) do relatório foi publicado hoje (8/8/2019) após uma semana exaustiva de negociações, durante a qual os cientistas responderam aos comentários dos governos sobre seu esboço.

O SPM apresenta as principais conclusões do relatório sobre o efeito que as mudanças climáticas estão exercendo sobre os ecossistemas terrestres e naturais. Apresenta também as opções políticas para o enfrentamento do desafio.

No SPM, o IPCC adverte que a humanidade está fazendo enormes e insustentáveis ​​demandas sobre os solos do planeta. A forma pela qual tratamos a terra pode ajudar ou prejudicar o clima e, a menos que mudemos rapidamente de rumo, não poderemos evitar o agravamento da crise climática. Desmatando e eliminando animais e plantas no atual e impressionante ritmo, os seres humanos estão acelerando o colapso climático.

 

As principais conclusões incluem:
  • Os impactos climáticos sobre a terra já são severos. Ondas de calor e secas tornaram-se mais frequentes e intensas em algumas regiões, e a segurança alimentar já foi prejudicada por afetar o rendimento das colheitas e a produção animal, entre muitas outras mudanças que configuram a crise climática.
  • Mesmo mantendo o aquecimento global em 2°C, meta fixada pelo Acordo de Paris, estaremos sob o risco de uma crise alimentar, particularmente nas regiões tropicais e subtropicais. Projeta-se também que uma combinação de elevação do nível do mar com ciclones mais intensos ponha em risco vidas e meios de subsistência nas áreas propensas a estes fenômenos climáticos. O aquecimento medido até agora já aumentou o risco de incêndios florestais, e este deve passar a um nível alto ao rompermos a barreira de 1,5˚C de aquecimento.
  • A agricultura, a produção de alimentos e o desmatamento são impulsionadores significativos das mudanças climáticas e produzem cerca de 23% das emissões de gases de efeito estufa induzidas pela humanidade. No Brasil estas atividades são responsáveis por 74% das emissões de gases de efeito estufa.
  • Diferentemente da indústria de combustíveis fósseis, a agricultura sustentável pode ser parte da solução para o aquecimento global, por ter a capacidade de retirar carbono da atmosfera e estoca-lo no solo. Mas a janela de oportunidade está se fechando rapidamente, pois a capacidade dos solos de realizar essa função diminui à medida que a temperatura aumenta.
  • O progresso em direção a uma ampla transformação da agricultura, da silvicultura e do uso da terra é necessário para alcançar as metas do Acordo de Paris. Essa transformação precisa estar bem encaminhada até 2040.
  • Existem muitas soluções em que todos ganham no setor da terra, particularmente na agricultura e silvicultura, mas algumas soluções terrestres para o aquecimento global, como BECCS (bioenergia com captura e sequestro de carbono) podem forçar trade-offs com produção de alimentos se não forem feitas com cautela ou em escalas inadequadas.

 

Impactos da mudança climática
  • Os impactos climáticos sobre os solos já são severos: o solo está se degradando por conta de múltiplos fatores de estresse, as ondas de calor estão se intensificando e se tornando mais frequentes, e os padrões de precipitação estão mudando.
  • A superfície da terra também está cada vez mais degradada devido à exploração e intensificação sem precedentes de seu uso.
  • A mudança climática já está minando a segurança alimentar, como evidenciado pelo impacto sobre o rendimento das colheitas, pela redução da produtividade do gado em algumas regiões e pelo aumento do risco de pragas e doenças agrícolas em algumas regiões.
  • Uma crise alimentar se aproxima se as emissões não forem controladas, especialmente nas regiões tropicais e subtropicais. O aumento das temperaturas também pode afetar o valor nutricional das culturas e reduzir significativamente o rendimento das culturas.
  • A escassez de água em regiões secas será um desafio cada vez maior, se ultrapassarmos  1,5 ° C de aquecimento global.
  • Mudanças climáticas e eventos climáticos extremos relacionados podem intensificar a migração através das fronteiras e dentro dos países.

 

Fatores da mudança climática
  • A agricultura, o desmatamento e outros usos da terra são impulsionadores significativos das mudanças climáticas e produzem cerca de 23% das emissões causadas pelo homem.
  • O desmatamento e a produção de alimentos estão frequentemente interligados, pois as florestas são desmatadas para a agricultura.
  • O sistema alimentar global contribui com até 37% das emissões globais de gases de efeito de estufa, principalmente por meio da criação de gado e outros ruminantes, do cultivo de arroz e aplicação de fertilizantes a pastagens.
  • Mais de um quarto dos alimentos é desperdiçado ou perdido, produzindo emissões durante a decomposição. Abordar o desperdício de alimentos oferece uma oportunidade para reduzir as emissões e favorecer a segurança alimentar global.

 

Soluções para a mudança climática
  • Para transformar a terra em uma solução climática será preciso adotar práticas agrícolas que trabalhem com a natureza, eliminar o desperdício de alimentos, fazer uma dieta balanceada, interromper o desmatamento e restaurar ecossistemas danificados. Juntos, esses passos reduzirão as emissões e farão com que a terra e as pessoas que dependem dela sejam mais resistentes a choques climáticos.
  • Reduções significativas de emissões no sistema alimentar podem ser asseguradas pela redução da perda e desperdício de alimentos e mudança para dietas equilibradas e diversificadas, ricas em alimentos de origem vegetal e alimentos de origem animal produzidos de forma sustentável.
  • Existem grandes oportunidades para melhorar a agricultura e as práticas agrícolas para reduzir as emissões, mantendo ou aumentando a produção. A maioria das respostas são ações ganha-ganha que lidam com a mudança climática, apoiando a produção: agrofloresta, gestão do solo, aumento da produtividade e redução da perda de alimentos.
  • Ao contrário do setor de combustíveis fósseis, o setor agrícola pode desempenhar um papel crítico na extração de carbono da atmosfera e no armazenamento de carbono nos solos. Esta é uma oportunidade importante, já que a captura de carbono foi considerada obrigatória pelo IPCC no relatório especial 1.5 devido a atrasos até o momento na redução de emissões.
  • Acabar com o desmatamento é uma prioridade crítica. A restauração florestal e o reflorestamento também oferecem grandes oportunidades para reduzir o carbono atmosférico e armazená-lo nas florestas.
  • Existem muitas soluções no setor da terra, particularmente na agricultura e silvicultura, mas algumas soluções terrestres para o aquecimento global, como o BECCS, podem forçar trade-offs com a produção de alimentos se não forem feitas com cuidado ou se forem promulgadas em escalas inadequadas.

 

Importância de começar já
  • A janela para essas mudanças está se fechando rapidamente. Se houver mais atraso na redução de emissões, perderemos a oportunidade de gerenciar com sucesso a transição para a mudança climática no setor de terra.
  • Somente agindo agora é que os setores relacionados ao uso da terra podem esperar fazer uma captura significativa de carbono e, ao mesmo tempo, proteger a produção de alimentos e preservar a biodiversidade. Deixar de tentar controlar a elevação da temperatura média do planeta levaria a grandes perdas em todas as frentes.
  • O setor agrícola, em particular, tem pouco tempo para uma ação bem-sucedida. À medida que o aquecimento aumenta, ele reduz o rendimento das colheitas, torna os esforços de adaptação cada vez mais fúteis e prejudica a capacidade dos campos agrícolas de armazenar carbono.
  • Se não perseguirmos os objetivos do Acordo de Paris e reduzirmos as emissões rapidamente, até 2050, ou antes, poderemos nos encontrar em uma situação em que estamos sem opções e não temos escolha a não ser negociar entre segurança alimentar e reduções de emissões.
  • Não existe uma solução única – uma “bala de prata”. Mudar nosso relacionamento com a terra é uma parte vital do combate à crise climática, mas devemos também: mudar para as energias renováveis ​​e manter os combustíveis fósseis no solo; descarbonizar rapidamente a economia global; e desenvolver cidades mais eficientes e infraestrutura de transporte.