ClimaInfo, 18 de dezembro de 2017

ClimaInfo mudanças climáticas

BRASIL LIDERA RANKING DE DESMATAMENTO DO GLOBAL FOREST WATCH

O pessoal do Global Forest Watch (GFW) colocou o Brasil como o maior desmatador do momento. Um levantamento feito com dados de satélite em 2017 confirma a notícia de que tivemos um recorde de incêndios a partir de agosto e aponta que foram queimados 24 mil hectares de floresta na Terra Indígena Kayapó e mais 10 mil hectares na Terra Indígena Xikrin do Cateté, as duas no sul do Pará.

O Ibama contestou esses valores dizendo que em terras dos Kayapó, usando imagens do INPE, a perda foi de “apenas” 879 hectares entre 2016-17. O Imazon identificou aproximadamente a mesma área, mas indicou que outras terras indígenas foram afetadas.

É possível que a discrepância tenha origem no período mensurado. Em geral, os dados do INPE vão até julho e os incêndios causadores dos valores altos do GFW aconteceram depois disso. Talvez os dados do INPE no ano que vem esclareçam a discrepância.

Lançado em 2014, o Global Forest Watch monitora florestas e desmatamento no mundo todo. Criado pelo World Resources Institute, WRI, tem o Imazon como parceiro no Brasil. O resultado é constantemente atualizado no penúltimo link abaixo. As notas metodológicas estão no último link.

http://www.wri.org/blog/2017/12/places-watch-5-forests-risk-month

https://www.reuters.com/article/us-global-forests-data/brazil-tops-places-to-watch-for-deforestation-satellites-show-idUSKBN1E72LO

https://www.socioambiental.org/pt-br/noticias-socioambientais/desmatamento-cresce-32-nas-terras-indigenas-da-amazonia-brasileira-aponta-isa

http://www.globalforestwatch.org/map/3/-19.92/-41.03/ALL/grayscale/loss,forestgain

http://www.wri.org/sites/default/files/places-to-watch-tech-note_0.pdf

 

CONFLITOS EM RONDÔNIA, NO SERTÃO DA BAHIA E NO ENTORNO DA MINERADORA BELO SUN

Rondônia: a criação da Cooperativa de Produção e Desenvolvimento Indígena Paiter, administrada pelos Paiter-Suruí desafiou quem queria avançar em terra indígena. Localizada no centro de Rondônia, a região é palco de enfrentamentos e assassinatos pagos por madeireiros e grileiros. Segundo matéria de Felipe Corona na agência EFE, “O Conselho Indigenista Missionário (Cimi), ligado à Igreja Católica, alertou recentemente sobre o risco de genocídio de índios em Rondônia, depois de uma invasão de madeireiros e pecuaristas na terra indígena de Karipuna (…) o cacique Adriano Karipuna denunciou à Fundação Nacional do Índio (Funai) as ameaças recebidas e pediu mais recursos da entidade para acompanhar a fiscalização das terras que estão em perigo”.

Bahia: o Repórter Brasil denunciou a Agropecuária Estrondo por bloquear estradas e caminhos públicos na região de Formosa do Rio Preto, no noroeste da Bahia. Segundo moradores, a Estrondo instalou guaritas e cancelas e submete a comunidade que precisa transitar, a repetidas revistas e intimidações. O Repórter Brasil procurou a Estrondo, mas esta não quis se pronunciar. A prefeitura de Formosa do Rio Preto prometeu investigar. Uma juíza que havia interferido em prol da população foi afastada do cargo e da região. A Estrondo faz parte do portfólio de Ronald Levinsohn, notório personagem dos anos 80 por ter dado um grande golpe com a falência da sua Caderneta de Poupança Delfin, então a maior do país. Levinsohn nunca foi condenado. Moradores dizem que a Estrondo está avançando sobre terras públicas e privadas e buscando regularizar os títulos em seu nome. O Incra soltou uma nota dizendo que a regularização das terras é responsabilidade dos cartórios geridos pelo estado da Bahia e que, até onde lhe compete, está tudo em ordem. Em 2009 a Estrondo foi denunciada por trabalho escravo e deve R$ 55 milhões em multas ao Ibama que ninguém conseguiu cobrar até hoje. Levinsohn certamente se considera um agro pop e tech.

Pará: no final de novembro, um grupo formado pelo prefeito de Senador José Porfírio, Pará, Dirceu Biancardi, e comparsas foi até Belém, invadiu um auditório da Universidade Federal do Pará e trancou professores, alunos e convidados para impedir um debate sobre o polêmico projeto de mineração Belo Sun instalado no município, quase ao lado da usina de Belo Monte. O prefeito e sua tropa estão de olho na arrecadação que o município terá com os royalties da mineração. Sua palavra de ordem na ocasião foi “tem gente que conhece mais a Europa do que o município de Senador José Porfírio e quer tomar a decisão por nós”. Claro que tem gente que conhece muito mais os impactos ambientais de mineradoras e hidrelétricas na região amazônica e que quer exigir salvaguardas e compensações, sem as quais, quem vai pagar o pato é a população de Senador José Porfírio e de toda a região em torno. O projeto vai extrair muitas toneladas de ouro e tem o potencial de causar um estrago ambiental histórico.

https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/efe/2017/12/16/surui-de-rondonia-e-mais-uma-tribo-ameacada-por-disputa-de-terras-na-amazonia.htm

http://reporterbrasil.org.br/estrondo/

http://reporterbrasil.org.br/2017/12/nota-prefeitura-de-formosa-do-rio-preto/

https://brasil.elpais.com/brasil/2017/12/11/opinion/1512997340_266770.html

 

GOVERNO DO AMAZONAS LICENCIA GARIMPEIROS QUE ATACARAM O IBAMA E O ICMBio

Em outubro, em Humaitá, AM, garimpeiros atacaram postos do Ibama e do ICMBio pondo fogo em suas sedes e  seus carros. Mensagens nas redes sociais indicaram que os ataques aconteceram em represália às ações do Ibama que tinham destruído 31 barcaças de garimpeiros ilegais no Rio Madeira, em trecho de terras indígenas. Na semana passada, o governador Amazonino Mendes deu licenças ambientais para os garimpeiros e, agora, o Ibama não pode mais destruir as barcaças. As licenças foram dadas para duas cooperativas de garimpeiros. Estas não conseguiram licença anteriormente por não atenderem a normas de proteção ambiental como, por exemplo, recolher todos os restos de mercúrio usados. Passando por cima desse e outros crimes ambientais, Amazonino justificou dizendo que 6 mil pessoas da região vivem do garimpo e que marginalizá-los implica perda de arrecadação para o Estado. Amazonino foi eleito pela quarta vez em agosto deste ano para cumprir o resto do mandato de José Melo, cassado por ter comprado votos na última eleição.

http://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2017/12/1942928-apos-ataques-de-garimpeiros-am-outorga-licenca-para-extracao-do-ouro.shtml

 

A MP DO TRILHÃO – OU DOS MUITOS BILHÕES – CONTINUA REPERCUTINDO AQUI E LÁ FORA

Matéria assinada por Nádia Pontes na Deutsche Welle aponta a contramão climática que o governo Temer entrou ao bancar o subsídio às petroleiras para explorar o pré-sal. Destaca o perdão das dívidas das grandes petroleiras, o presente dado na forma de isenção tributária bilionária até 2040 e estima o impacto das decisões no aquecimento global. As reservas de 175 bilhões de barris quando queimadas virarão 75 bilhões de toneladas equivalentes de CO2. Para se ter uma comparação, isso é 3 vezes mais do que todo o gás de efeito estufa emitido pelo desmatamento da Amazônia desde 1990.

Na revista Época, Paulo Moutinho, do IPAM, compara os bilhões cedidos a Exxon, Shell, BP, Petrobras e coleguinhas com o número de novas escolas ou hospitais que seria possível construir com este dinheiro. Partindo de estimativas que calculam a renúncia fiscal dada pela MP 795 em algo entre R$ 500 milhões a R$ 1 trilhão nos próximos 25 anos, Moutinho diz que com este valor seria possível construir 500 mil novas escolas ou 4 mil complexos hospitalares. “O Brasil vai entupir o ar com mais poluição. Parece esquecer todos os estudos, mais do que comprovados, que relacionam problemas respiratórios ao ar cheio de material particulado nas grandes cidades. Prefere fechar os olhos a um relatório recente do Unicef, que liga a exposição à poluição a danos nos pulmões e risco no desenvolvimento cerebral de bebês. Ou esquecer outro documento, também divulgado há poucos dias pela OMS, que mostra como bebês e crianças em idade pré-escolar expostos à fumaça têm mais risco de desenvolver pneumonia na infância e doenças respiratórias crônicas, como asma”.

http://m.dw.com/pt-br/na-contramão-do-clima-brasil-subsidia-indústria-do-petróleo/a-41802805

http://epoca.globo.com/ciencia-e-meio-ambiente/blog-do-planeta/noticia/2017/12/por-que-dar-isencao-fiscal-empresas-que-causam-poluicao-e-doenca.html

 

EMBRAPA E UNICAMP SE JUNTAM PARA PESQUISAR A MUDANÇA DO CLIMA

O Centro de Pesquisa em Genômica Aplicada a Mudanças Climáticas foi criado pela parceria entre a Embrapa e a Unicamp e vai ter apoio da Fapesp. O GCCRC (sigla da tradução para o inglês) vai pesquisar a adaptação de cultivos nacionais aos dois principais efeitos que a mudança do clima terá sobre a agricultura: temperaturas mais altas e deficiência hídrica. Para isso, o Centro vai estudar e desenvolver biotecnologias baseadas na ciência genômica e na biologia molecular. Eduardo Assad, importante pesquisador da Embrapa na questão climática, declarou que o Centro “é uma parceria feliz e exitosa. Esse vai ser o primeiro centro que a Fapesp cria, cujo objetivo será o de gerar soluções biotecnológicas para a agricultura em função dos impactos do aquecimento global”. A sede será no Laboratório de Inovação em Biocombustíveis localizado no Parque Científico e Tecnológico da Unicamp.

http://www.grupocultivar.com.br/noticias/embrapa-e-unicamp-criam-centro-de-pesquisa-em-mudancas-climaticas-com-apoio-da-fapesp

 

A DIFERENÇA ENTRE OS INCINERADORES DE LIXO DOS EUA E DA SUÉCIA

O Baltimore Sun conta que o incinerador de lixo da Wheelabrator conseguiu a mesma classificação de geração de energia limpa dada a plantas eólicas e fotovoltaicas. Só que a Wheelabrator é a maior fonte de poluição da cidade, queima 700 mil toneladas de lixo por ano (aproximadamente 3 kg por habitante por dia) e libera, também por ano, 54 kg de chumbo, 100 toneladas de ácido clorídrico e mais duas toneladas de formaldeídos cancerígenos. Além disso, comparando com as demais chaminés da cidade, a Wheelabrator joga 82% dos óxidos de enxofre (SOx) e 64% dos óxidos de nitrogênio (NOx). Tanto o SOx quanto o NOx geram chuva ácida e muitos outros males para a saúde. Por isso, tem gente na comunidade que acha que não faz o menor sentido dar subsídios para uma poluidora desse tamanho.

Já na Suécia, os incineradores de lixo são completamente diferentes. Uma matéria de Marco Cardoso publicada no Valor, conta a história do tratamento de lixo no país que, nos idos 1980, se baseava em incineradores e estações de biogás acopladas às plantas de tratamento de esgotos. Os incineradores chegaram a ser proibidos por alguns anos enquanto se buscavam soluções tecnológicas para eliminar a liberação de substâncias cancerígenas. Em 2005 proibiu-se jogar resíduos orgânicos em aterros. Com isso, as plantas de recuperação de energia, evolução dos antigos incineradores, e estações de biogás pipocaram por todo o país. Os digestores produzem biogás que movem frotas de ônibus nas principais cidades suecas substituindo o óleo diesel. Esse movimento fez parte do crescimento de quase 70% da economia sueca ocorrido entre 1990 e 2015. E foi decisivo para reduzir as emissões de gases de efeito estufa do país em 25% no mesmo período.

http://www.baltimoresun.com/news/maryland/environment/bs-md-trash-incineration-20171107-story.html

http://www.valor.com.br/opiniao/5227249/lixo-contra-fossil#

 

FETOS SOFREM COM O FRAQUEAMENTO E O REFINO DE PETRÓLEO

O fracking, fraqueamento hidráulico, foi proibido numa série de estados e municípios mundo afora pelo receio de contaminação e de outros danos. Cientistas analisaram mais de 1 milhão de nascimentos no estado americano da Pensilvânia, entre 2004 e 2013, e constataram que, em gestações que ocorreram num raio de 1 km de um sítio de fracking, havia 25% mais chance do bebê nascer com menos de 2,5 kg, bem abaixo da média norte-americana de 3,5 kg. Já gestações que se passaram a 3 km dos sítios ficaram dentro da média do país. A julgar pelo cuidado com medições e amostragens, resta pouca dúvida que alguma coisa do fracking influenciou na formação dos fetos.

Esta descoberta vai na mesma direção de outro fato conhecido há mais tempo, mas que continua reverberando. A cidade de Gela, na Sicília, é sede de uma das maiores refinarias da Eni, atualmente a maior corporação italiana. Gela apresenta taxas de mortalidade bem acima da média do restante da ilha, assim como uma alta incidência de defeitos congênitos. A cidade tem a maior incidência de uma desordem rara na uretra. E isso ocorre há décadas. No começo do mês, promotores públicos abriram um processo contra cinco executivos da ENI, acusando a empresa de ter enterrado secretamente, toneladas de lixo tóxico num aterro submarino nas costas da cidade que pode ter contaminado o abastecimento de água. A defesa, evidentemente, nega qualquer irregularidade.

http://advances.sciencemag.org/content/advances/3/12/e1603021.full.pdf

https://www.washingtonpost.com/news/energy-environment/wp/2017/12/13/fracking-sites-raise-the-risk-of-low-birth-weight-babies-new-study-says/

https://www.theguardian.com/world/2017/dec/01/sicilians-take-aim-at-oil-monster-they-blame-for-childrens-birth-defects

 

FOTOVOLTAICO CRESCE MENOS DO QUE O ESPERADO NOS EUA, MAS CHEGA A 100 GW NO EMBALO CHINÊS

O mercado norte-americano de painéis fotovoltaicos previa a instalação de 17 GW em 2017, mas, com o ano terminando, a expectativa agora é que não chegue a 12 GW, uma queda de 30% em relação ao esperado. Uma das razões é que em 2016 houve um crescimento forte embalado por uma linha de crédito que expirou antes da virada do ano e não se repetiu neste ano. Há também uma disputa comercial entre a empresa norte-americana Suniva e fornecedores chineses. A Suniva quer que o Departamento de Comércio coloque uma sobretaxa nos painéis chineses. Parte do mercado tentou antecipar compras e isso fez o preço do painel subir 20% em um semestre. Aí a demanda residencial caiu.

Por outro lado, a expansão do fotovoltaico na China deve fazer a capacidade mundial passar dos 100 GW no ano que vem, quando metade dos painéis lá serão instalados. O copo vazio dessa expansão é que a demanda por painéis cresceu mais do que a oferta. Segundo analistas, os fabricantes estão no seu limite e isso fez o preço subir.

https://www.reuters.com/article/us-usa-solar/u-s-solar-installations-to-fall-more-than-expected-in-2017-idUSKBN1E80GZ

https://www.bloomberg.com/news/articles/2017-12-14/world-s-solar-is-about-to-hit-100-gigawatts-thanks-to-china

 

SE A MODA PEGA: ILHA DO PACÍFICO EXIGE DE TURISTAS UM COMPROMISSO DE RESPEITO

O arquipélago de Palau fica no Oceano Pacífico um pouco a leste das Filipinas e ao norte da Papua-Nova Guiné. É um conjunto de 700 ilhas sujeitas a tempestades cada vez mais fortes. Também enfrenta um mar que já subiu mais de 20 cm desde 1990, cerca de três vezes mais do que o aumento médio global. Uma lei aprovada recentemente obriga os turistas a assinarem um compromisso para zelar pelo meio ambiente. O compromisso é carimbado no passaporte e tem que ser assinado antes do desembarque. O turista promete formalmente às crianças de Palau que irá “preservar e proteger sua ilha natal, bela e única” e que irá “pisar leve, agir bondosamente e explorar sabiamente” (“I vow to tread lightly, act kindly and explore mindfully”).

Um compromisso que deveria valer para o planeta todo.

https://www.theguardian.com/world/2017/dec/15/explore-lightly-palau-makes-all-visitors-sign-pledge-to-respect-environment

 

MONITORAMENTO DO CLIMA PRECISA SE ADAPTAR… PORQUE O CLIMA MUDOU

No começo do mês, cientistas da NOAA (sigla em inglês da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional americana) sentiram falta dos dados da estação de Barrow, no ponto mais ao norte do Alasca. Quando foram checar, viram que os algoritmos de consistência dos dados tinham jogado fora todos os dados por estarem fora dos limites previstos. Acontece que a temperatura subiu, e subiu mais rapidamente do que os criadores dos algoritmos poderiam imaginar. Temperaturas mais altas reduzem a formação de gelo,  provocando um aumento na temperatura do oceano (o oceano é mais escuro que o gelo e, portanto, absorve mais calor e reflete menos luz), o que aumenta ainda mais a temperatura da atmosfera. Na reunião da União Geofísica Americana, o título de um dos trabalhos apresentados foi:  “Ártico não dá sinal de que voltará a ser a região sempre congelada das décadas recentes”. Assim como no mar, o gelo também está derretendo na terra, e também por ser mais escuro que o gelo, o permafrost derrete liberando os gases formados na decomposição da matéria orgânica não mais congelada. Retroalimentando o aquecimento da atmosfera.

http://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2017/12/1943293-temperaturas-anormais-causam-falha-em-programa-que-colhe-dados-do-clima.shtml

 

A RESPONSABILIDADE DA MUDANÇA DO CLIMA SOBRE OS EVENTOS EXTREMOS EM 2016

Um suplemento especial do Bulletin of the American Meteorological Society este mês leva o título “Explicação de Eventos Extremos de 2016 de uma Perspectiva Climática”. O suplemente compila 27 trabalhos sobre eventos extremos ocorridos no ano passado, sendo que para 21 deles foi possível identificar claramente a mudança do clima como uma das causas mais relevantes. O recorde da temperatura média global, as ondas de calor na Ásia e as temperaturas nas costas do Alasca receberam a categoria 1 do FAR (sigla em inglês de fração atribuível de risco, técnica mais aceita na nova ciência de atribuição). A categoria 1 do FAR é atribuída a eventos que só aconteceram por que vivemos num mundo com emissões antrópicas de gases de efeito estufa. Outros eventos como incêndios florestais, tempestades de neve e granizo, inundações e secas e o branqueamento de corais também foram analisadas. As 168 páginas do trabalho dão um presente de Natal perfeito para parentes, amigos e vizinhos céticos e negacionistas.

http://www.ametsoc.net/eee/2016/2016_bams_eee_low_res.pdf

https://www.nytimes.com/2017/12/14/climate/climate-extreme-weather-attribution.html

 

 

Você recebeu esta mensagem porque acreditamos que se interesse por notícias relacionadas às mudanças climáticas. Caso não deseje receber novamente este boletim diário escreva para climainfo@avivcomunicacao.com.br