Meio milhão de empregos até 2030 se meta de eficiência energética for cumprida

eficiência energética

Brasil precisa capacitar profissionais para conseguir preencher as vagas necessárias para o país alcançar 10% de ganhos de eficiência energética prometidos no Acordo de Paris

 

O projeto “Retomada Verde Inclusiva” do Instituto ClimaInfo, com o apoio do Observatório do Clima e  GT Infraestrutura traz opções de curto prazo em investimentos verdes para a recuperação da economia. Debate com especialistas em seminário promovido pelo ClimaInfo trouxe soluções em várias áreas.

 

Uma verdadeira usina de novos empregos: essa é a nova cara da indústria de eficiência energética no Brasil. Se até agora a redução na conta de luz de empresas e consumidores era considerado o principal benefício, ao lado do impacto positivo sobre as emissões de gases de efeito estufa, novos estudos mostram que a atividade tem um gigantesco potencial de geração de novos postos de trabalho.

A conclusão se baseia na meta assumida voluntariamente pelo Brasil no âmbito do Acordo climático de Paris: alcançar 10% de ganhos de eficiência energética no setor elétrico até 2030. O modelo utilizado encontra a relação de 0,62 TWh de energia economizada para cada bilhão de reais investido, o que indica que será necessário um investimento anual da ordem de R$ 12 bilhões até 2030. Ocorre que 3,4 mil empregos são criados para cada bilhão de reais investidos em eficiência energética. Ou seja: se o Brasil cumprir o que prometeu no Acordo de Paris, gerará 408 mil empregos nos próximos dez anos.

Atualmente a demanda por capacitação em eficiência energética para atender o compromisso climático pode ser estimada em 30 a 60 mil profissionais, correspondendo a 11 mil postos de trabalho (FTE, do inglês Full Time Equivalent, ou empregos integrais anuais). As maiores oportunidades de capacitação estão nas indústrias e edificações, sendo no mínimo 25% com nível superior completo. Mas o impacto da eficiência energética na geração de empregos vai muito além dos empregos efetivamente em projetos de eficiência energética, incluindo 122 mil FTE em empresas de fabricação, transporte e venda de produtos eficientes; 237 mil FTE gerados por efeitos indiretos; e 48 mil por efeitos induzidos.

A abordagem pelo lado do emprego é nova: não houve até o momento um esforço de levantamento dos empregos gerados por investimentos em eficiência energética que partisse da própria realidade brasileira.

O Plano Nacional de Eficiência Energética (PNEf), de 2011, propõe ações diversas que podem ser desenvolvidas para se aumentar a conservação de energia nos setores industrial, de transportes, edificações, iluminação pública, saneamento, educação, entre outros. Porém, o PNEf não se traduziu ainda em novas ações e políticas de eficiência energética.

Leia mais sobre a Retomada Verde Inclusiva:

Agricultura de baixo carbono: recuperar 6,5 milhões de hectares de pastagens degradadas no Cerrado pode injetar R$ 3,4 bilhões na economia

Água e saneamento: cumprir a meta do Plansab permite gera 300 mil empregos ainda este ano

Energia solar distribuída: investir em em residências de baixa renda é solução econômica, ambiental e social

Habitação: um terço do déficit habitacional do Brasil está concentrado em nove regiões metropolitanas 

Mobilidade: soluções impostas pela pandemia vieram para ficar

Não podemos voltar ao normal

Resíduos sólidos: como o Brasil joga fora meio milhão de empregos

Resíduos Sólidos, Saneamento, Mobilidade e Energia solar: os setores-chave para uma retomada verde da economia

Soluções baseadas na natureza: cumprir meta do Acordo de Paris geraria 250 mil empregos

Retomada verde pode evitar metade do aquecimento global previsto até 2050 (matéria de Giovana Girardi para o Estadão)

 

ClimaInfo, 3 de setembro 2020.

Clique aqui para receber em seu e-mail o boletim diário completo do ClimaInfo.

x (x)
x (x)
x (x)
x (x)
x (x)
x (x)